Chuvas podem garantir boa expectativa de produtividade para culturas de inverno

O retorno das chuvas deve garantir a retomada da expectativa de uma boa produtividade das lavouras de trigo, já que grande parte delas começa a atingir, com percentuais mais elevados, o estágio reprodutivo (floração). De acordo com o Informativo Conjuntural, divulgado pela Emater/RS-Ascar, 12% das lavouras de trigo atingiram esta fase e apresentam boa população de plantas e sanidade vegetal. O clima em geral tem sido favorável ao correto desenvolvimento das lavouras, mesmo que tenham ocorrido algumas geadas em áreas mais baixas, pois foram de fraca intensidade e não causaram prejuízos.

Um fato a destacar no trigo é a baixa incidência de doenças fúngicas na maioria das lavouras, justamente por conta da baixa umidade, o que tem levado a uma diminuição na aplicação de agroquímicos. Segue em andamento o controle fitossanitário, especialmente a ferrugem da folha e do colmo, assim como o controle da giberela nas lavouras em floração.

As lavouras de aveia se encontram nas fases de floração (43%) e enchimento do grão (20%). Até o momento, as condições meteorológicas têm sido favoráveis. Apenas em casos pontuais foi verificado acamamento de plantas devido às chuvas, todavia, acredita-se que não deverá causar maiores danos na colheita, que prevê uma produtividade média de 2,4 mil quilos por hectare.

A cultura da cevada segue nas fases de elongação e emborrachamento, com 13% das lavouras já atingindo o pleno florescimento, sem problemas com pragas e doenças, uma vez que surtiram efeito os tratamentos realizados recentemente. Com a aplicação do nitrogênio em cobertura, as plantas aceleraram seu crescimento. Técnicos que atuam na área trabalham, até o momento, com um potencial produtivo estimado em 3,3 mil quilos por hectare, com boa qualidade industrial.

A canola está em floração plena (59%), fase esta beneficiada pela presença de abelhas que auxiliam no trabalho de polinização das flores, resultando num alto índice de fecundação e em probabilidade de bom rendimento por área. Até o momento, o padrão fitossanitário das lavouras é considerado bom e o clima tem transcorrido favorável para a canola, predominando dias secos e temperaturas noturnas baixas. O potencial produtivo da cultura no momento é de 1,5 mil quilos por hectare.

Viticultura

Mais de 50% dos 39 mil hectares cultivados na Serra ainda estão para serem manejados quanto à poda seca ou de inverno. A parcimônia na execução dessa prática cultural se deve à presença de frio constante. Segue os tratamentos com caldas específicas para a redução de presença de pragas. Nos mesoclimas mais quentes, variedades superprecoces, como a Vênus, já mostram brotação de cerca de 10 cm, com boa uniformidade e vigor. Estes vinhais já recebem os primeiros tratamentos fitossanitários para o controle de fitomoléstias.

Nestes mesmos locais, a principal variedade de mesa cultivada na região, a Niágara rosada, já demonstra as gemas inchadas e verdes, prenunciando o início de brotação. É bastante raro o uso de dessecantes químicos para o manejo dessas plantas, realizado essencialmente por acamamento por meio físico, como arraste de pneumáticos velhos ou galhos de árvores de espécies exóticas.

Ovinocultura

Em geral, o rebanho ovino apresenta escore corporal satisfatório. Período de terço final de parição na maioria dos rebanhos; a exceção se dá em relação às ovelhas com cria ao pé, que reduziram de forma significativa seu escore corporal pós-parto. Portanto, o momento é de cuidado nutricional e sanitário com as matrizes até a hora do parto e durante a lactação.

Com relação à condição sanitária, é preciso atentar para o controle da verminose ovina, em especial a hemoncose. Outro cuidado importante se refere à imunização do rebanho contra as clostridioses em áreas endêmicas; a vacina deve ser feita nas fêmeas no final da gestação. O período é de assinalação, castração e descola de cordeiros. Preços sem alterações, pois não estamos em época de comercialização para recria ou abate.

A partir de agora, os ovinocultores preferem coletar a lã, ao invés de comercializar seus rebanhos. Excepcionalmente são comercializados alguns animais para afrouxar a lotação dos campos nativos durante o fim do inverno.

Fonte: estado.rs.gov.br

Voltar
aioria